Sistema CAPTCHA da Google vai passar a ser invisível

Sistema CAPTCHA da Google vai passar a ser invisível

A Google está a trabalhar numa tecnologia que combina “machine learning” com análise de risco para fazer com que os internautas já não tenham de provar que não são bots quando tentam aceder a determinadas páginas.

possível que o nome CAPTCHA não lhe diga muito, mas garantimos que já se deparou com este serviço durante a navegação pela Internet. CAPTCHA é o acrónimo de “Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart”, o que pode ser traduzido por “teste público completamente automatizado para distinguir computadores de humanos”. Na prática, os internautas reconhecem-nos como aquelas caixas onde temos de escrever uma combinação de letras ou números, por exemplo, para provarem que não são um bot.

A Google é a empresa que mais recorre a este serviço – deu-lhe o nome de reCAPTCHA fruto de uma aquisição realizada em 2009 –, mas está a trabalhar de forma a garantir que os internautas o vejam cada vez menos. A ideia não é acabar com ele; em vez disso, o objetivo é torná-lo invisível.

A empresa já tinha vindo a simplificar o reCAPTCHA – uma versão mais recente implicava apenas um clique numa caixa –, mas agora pretende que o sistema trabalhe “atrás das cortinas”, sem que o utilizador tenha de executar uma ação específica. A Google ainda não adiantou grandes detalhes sobre como irá decorrer este processo, referindo, contudo, que será utilizada uma combinação de “machine learning” com análise avançada de risco que se adapta a novas e emergentes ameaças – os hábitos do utilizador serão detetados quando entra numa determinada página web (endereço de IP e movimentos do rato, por exemplo) e o internauta apenas terá de resolver um dos simples puzzles do CAPTCHA se o algoritmo suspeitar que poderá estar perante um bot.

Como refere o Ars Technica, a dilvugação de muitos detalhes técnicos poderia fazer com que os criadores de bots descobrissem formas de contornar esta nova medida de segurança, pelo que não é expectável que a Google venha adiantar muitos mais pormenores.

Pode saber um pouco no vídeo abaixo.

 

Partilhar


Ao utilizar o nosso website, voçê está a concordar com o uso de cookies. saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close